[Curso de hipnose] - Segredos revelados: hipnose no CQC - Rafael Baltresca

HipnoBlog

[Curso de hipnose] – Segredos revelados: hipnose no CQC

by ohipnologo

Prepare-se: se você assistiu à minha apresentação no programa CQC e ficou curioso para saber como tudo aconteceu, este post é para você!  No vídeo a seguir, revelarei todos os segredos de bastidores, contando como funciona a hipnose de palco.

Para muitos, este tipo de apresentação resume-se naquilo que é visto pelo público, contudo, para se chegar a este resultado, é preciso muita preparação e muito trabalho de bastidor.

A hipnose de palco não é truque nem mágica! Como toda ciência (embora aplicada a outra vertente que não a acadêmica), ela possui métodos a serem seguidos pelo profissional que a aplica para que seja efetiva e se obtenha o grande êxito diante do público.

Geralmente, em apresentações de TV, essas etapas preliminares ao show de hipnose são realizadas no backstage, não chegando ao conhecimento dos espectadores. Porém, a partir de hoje, você saberá como tudo acontece de fato e qual a importância de cada passo no processo de hipnose.

Cada hipnotista tem seu método de trabalho; a seguir, vou te mostrar o meu método, desenvolvido desde 2007, quando comecei aprender a hipnose.

Bom, a primeira fase do processo é o pre-talk. Neste momento, todos os medos, objeções e dúvidas devem ser solucionados pelo hipnotista para que o sujeito aceite a indução. Para saber mais sobre este assunto, clique aqui e veja O pre-talk perfeito.

Na segunda etapa, ocorre a apresentação do convincer (do inglês, o “convencedor”) por meio do qual promove-se o início do rebaixamento do nível crítico das pessoas a serem hipnotizadas. Se no pre-talk as expectativas e desejos do público são elevados, aqui o objetivo é acentuar a confiança no hipnotista. Existem muitos convincers como os “dedos magnéticos”, as “mãos magnéticas”, “olhos grudados”, “gosto de limão hipnótico” etc. Em breve, publicarei no meu canal O Hipnólogo a explicação e execução de cada um deles. Neste caso, usei os “dedos magnéticos” como convincer.

Feito isso, passamos para a seleção inicial dos sujeitos, onde é separado “o joio do trigo”. Utilizando alguns testes, como o das mãos grudadas, consigo perceber quem está aberto e preparado para a indução, a próxima etapa do processo.

Nesta etapa, a indução hipnótica, há dezenas de processos que podem ser usados, como a fixação do olhar, perda de equilíbrio, desorientação, sobrecarga do sistema nervoso, hiperventilação, monotonia, entre outros. Meu método de indução (quando tenho tempo) inicia-se em uma versão adaptada de Dave Elman, passando a um relaxamento progressivo e uma interrupção de padrão/indução instantânea. Se você ainda não está familiarizado com estes termos, fique tranquilo, logo publicarei mais material técnico sobre hipnose.

Por fim, fazemos a aplicação de testes gradativos como catalepsia muscular, ficar grudado na cadeira, esquecer o próprio nome, alucinações visuais, cinestésicas e outros testes que determinam a seleção final dos candidatos a estarem comigo no palco.

Processo longo, não? Pois é, mas somente assim será possível realizar um trabalho verdadeiro com hipnose. Sem truques ou armações!

Assista, agora, à gravação dos bastidores do programa CQC para entender melhor como essas etapas acontecem na prática de um show de hipnose. Espero que você tenha gostado… deixe sua opinião aqui embaixo e compartilhe com os amigos.

Rafael Baltresca

Trabalha como palestrante desde 2001 e com hipnose desde 2007. É um apaixonado pela arte de hipnotizar e um dia ainda vai te fazer dormir...

Secured By miniOrange