Como ser um hipnólogo? - Rafael Baltresca

HipnoBlog

Como ser um hipnólogo?

by ohipnologo

Coloque essa pergunta no Google e as suas dúvidas irão se multiplicar. A problemática dessa falta de clareza, no entanto, não se deve ao site de buscas, que simplesmente cumpre o seu papel de listar resultados, mas sim às divergências de informações sobre o assunto.

A procura por essas informações, sobre como ser um hipnólogo, tem crescido rapidamente e, aparentemente, acompanhada quase que em pé de igualdade pela insegurança destas mesmas pessoas diante das respostas que encontram.

Aqui no HipnoBlog, fizemos a primeira publicação sobre as legislações e diretrizes brasileiras ligadas à prática da hipnose profissionalmente.
Clique aqui para conferir o artigo na íntegra.

Como dito na ocasião, para algumas áreas profissionais, existe uma normatização do próprio conselho de classe quanto ao uso da técnica. Estamos falando dos médicos, psicólogos, odontólogos e fisioterapeutas. 

Contudo, não existe ainda no Brasil nenhuma outra regulamentação sobre o uso da hipnose, possibilitando a outros profissionais a atuação como hipnoterapeutas.

Neste ponto você já deve estar se perguntando: “Então qualquer um pode trabalhar como terapeuta e utilizar hipnose para tratar as pessoas?” 

De fato, não é necessário ter uma formação superior para exercer a clínica da hipnose e isso você já deve supor ou suspeitar justamente pelos resultados que encontra pesquisando pela internet.

Parece algo simples em um primeiro momento: você escolhe um dos cursos que aparece ali na sua timeline do Facebook, dá uma procuradinha melhor em outros sites, compara uns preços, vê qual parece mais rápido e barato e faz o tal do curso sem saber o que esperar depois. Essa dúvida posterior normalmente sugere que há falta de informação.

Contudo, antes de buscar referências sobre uma formação profissional em hipnose, é importante também descobrir se você tem o “perfil esperado” para atuar na área.

empatia

Se você não gosta de se comunicar, de estar com pessoas ou se não possui aquela fagulha de pentelhice que te faz querer descobrir o que é causa e consequência, precisará desenvolver estas habilidades em algum momento…

Não apenas o hipnólogo clínico, mas todo profissional da hipnose PRECISA ser empático. Somente assim, colocando-se no lugar do outro, é que será possível oferecer um caminho sustentável para a resolução de um problema e trabalhar com sugestões mais eficientes (mesmo em um show ou algo mais lúdico).

Respeito: guarde seus preconceitos (no lixo e enterrado, de preferência) e esteja aberto ao que é diferente, ao que é do outro. Sua religião, suas filosofias e sua opinião não devem servir para absolutamente nada nesses momentos. Se estamos falando de uma técnica, sua vida particular não deve ser posta como parâmetro para o outro e é preciso SIM trabalhar de forma receptiva e livre de julgamentos, nojinhos, prepotências e arrogâncias.

Com estas poucas informações já podemos mudar um pouco o cenário anterior e aquela ideia simplista de que basta fazer um curso baratinho de hipnose ou ver alguns vídeos no YouTube e pegar algumas cobaias para hipnotizar, depois ver se dá certo, não é mesmo?

Como ser um hipnólogo?

A resposta é: assumindo a responsabilidade pela sua prática e investindo sempre, sempre e sempre em estudos. A nossa área está em construção e, por isso, precisamos nos atualizar continuamente.

Uma das coisas que faço questão de oferecer em meus cursos de hipnose, por exemplo, é a atualização permanente do material. De uma forma ou de outra, procuro sempre dar a todos eles a oportunidade de se reciclarem, estar em contato com as novas descobertas e trazerem novidades também.

Isso garante que aqueles primeiros alunos das minhas primeiras turmas receberão a mesma formação profissional que os últimos, além das trocas frequentes que nos levam ao avanço da área como um todo.

Para saber mais sobre a minha Formação em Hipnose Clássica, clique aqui.

Uma última dica sobre como ser um hipnólogo, caso você já feito alguns cursos ou esteja inseguro com relação à fiscalização da sua prática profissional: sindicatos e parcerias. Existem alguns sindicatos de classes de terapeutas aos quais você poderá associar-se, bem como de artistas, caso seja essa a sua área, e que te auxiliarão profissionalmente.

Consulte quais as exigências das instituições em sua região e analise com calma a necessidade e benefícios deste suporte para sua atuação como hipnólogo. 😉

Rafael Baltresca

Trabalha como palestrante desde 2001 e com hipnose desde 2007. É um apaixonado pela arte de hipnotizar e um dia ainda vai te fazer dormir...

Secured By miniOrange